2015/04/21

21 de Abril dia da Partida para Moçambique

Dia 21 de Abril de 1971, partia do Cais da Rocha o “Niassa”, com mais umas centenas de jovens rumo a Moçambique.  
A Companhia 3352 fazia parte dessa viagem rumo ao desconhecido por cerca de dois anos, anos esses que para muitos de nós seria autêntico flagelo. Passadas mais de quatro décadas, muitas são as feridas que ainda não sararam.
O meu blog com a preciosa colaboração do nosso camarada de armas Maioto, fazemos o possível para manter viva a nossa "História" na memória curta dos Homens.


A EMBOSCADA - ou uma história real.

Na cantina do Fragoso, sobre a mesa uma caneca de vidro de dois litros de champarrião e uma travessa bem recheada de bacalhau esfiapado adornado com cebola, nós conversávamos balelas enquanto a tarde ia caindo acelerada, saboreando um dos poucos dias de descanso da nossa guerra. Era um desses momentos relaxantes em que o corpo se enrolava no esquecimento e a mente tentava recuperar, minimamente que fosse, um pouco do equilíbrio. O sol escondia-se rápido por detrás das palhotas do aldeamento, espalhando aquele tom alaranjado tao único do pôr-do-sol africano. E, sentados na esplanada da cantina, derretíamos ambos a alma na contemplação de tal maravilha!
Rádio ao ombro, guiando a sua ginga numa ventura total, cantarolando em tom excessivo, sorriso largo na pele luzidia, passou um negro na estrada que seguia para Tete. Em sentido contrário, justamente na direção da cidade da Beira, um camião de carga buzinou como aviso para os vários transeuntes que circulavam despreocupadamente na faixa de rodagem. Mais à frente, encostada à palhota, uma mulher ainda jovem amamentava o seu bébé. A cem metros de distância de nós, à esquerda, a rotunda que oferecia todos os destinos do mundo: o quartel, logo ali, silencioso e encaixado dentro do arame farpado; à direita seguia-se para a fronteira da Rodésia, e à esquerda levava para Vila Pery/Beira. Aquela era, para nós, a encruzilhada mais importante do mundo!
Inesperadamente, copo na mão, tu perguntaste: 
          - Ó Lamego, como será?
Não entendi a pergunta, e inquiri curioso:
          - Como será o que, Fróis?
          - A emboscada, pá. Como reagiremos nós debaixo de fogo? – Por segundos apenas olhaste-me fixamente, para logo a seguir, quase arrependido de teres levantado a questão, bebericares um pouco do champarrião mas à espera da minha resposta. Fui adiantando que não acredito em heróis por antecipação. Para mim é o momento que leva as pessoas a agirem instintivamente, sem premeditação alguma, e é esse clic mágico e repentino, vindo lá do fundo de nossa natureza, que converte as pessoas normais em heróis temporários.
Ainda nem sequer pensava vir para Moçambique e li numa revista um diálogo que na altura defini como imaginação pura! Debaixo de fogo dois amigos brincavam atirando piada por sobre as rajadas. Dizia um:
          - A festa está rija, pá! – Ao que o outro logo respondeu: - Se está! Até parece o nosso São João do Porto!
Não creditei fosse possível tamanha descontração, sempre achei aquilo exagero, especulação pura, por considerar que o medo acagaçaria mesmo o mais valente que caísse numa emboscada. Nessa altura, quando te contei isto, tu ouviste com atenção, mas no fim riste, divertido.
- Uns brincalhões esses gajos, não achas? – Esvaziaste o copo e espetaste o garfo na travessa do bacalhau e soltaste uma gargalhada larga.
Lembro que era Domingo e o dia quinze de Agosto, porque alguém atirou lá do banco de trás da viatura:
- Eh malta, hoje lá no “Puto” é feriado, dia de Nossa Senhora, e nós aqui a trabalhar como camelos fazendo mais uma coluna!
Todos ouviram distintamente, mas ninguém respondeu. Havia temas que doíam muito, então o melhor era não tocar nesses assuntos. Este era um deles… Eu vinha dentro da Toyota modelo 6000, de caixa aberta, ao lado do condutor, dormitando, um olho aberto, outro fechado, a G3 ao alcance da minha mão direita. Atrás na viatura, em bancos improvisados e sem taipal para que, em caso de ataque, pudessem mais facilmente saltar, vinham duas secções do meu pelotão.
De repente um tratatata que me pareceu fazer parte do meu sonho. Mas depressa caí na realidade quando ouvi a voz do condutor Martins bradar que era uma emboscada. Automaticamente, com a mão esquerda abri a porta da viatura e com a outra peguei na arma, saindo a seguir e rebolando na picada. Ouvi dois pequenos silvos e algumas pedrinhas saltaram mesmo a meu lado. As balas quase me apanhavam. Bastardos!
Caí a teu lado na pequena ribanceira para onde o Martins deixou cair a carrinha. Já deitado, mas ainda em sobressalto, e na tentativa de recuperar a consciência do local e das circunstâncias, virei a G3 para o ar e dei um tiro. Tu achaste piada e perguntaste:
- Queres matar algum pássaro?
Tirei a mão do gatilho, coloquei a patilha em segurança e perguntei ainda estremunhado:
- Para onde vamos? Rodésia ou quartel?
Tu riste de novo, disseste que estávamos de regresso ao quartel, e eu argumentei que me parecia precisamente contrário, até que o condutor, ali ao lado, meteu-se na conversa para dissipar dúvidas: tu tinhas razão, vínhamos de regresso ao quartel. Bonacheirão picaste-me o olho e encolheste os ombros ciente de que a razão estava do teu lado. Fui ao bolso da camisa e vi as horas no meu relógio já com muito pó e muitos quilómetros de picada: eram 10,30. A essa hora, de facto, era costume já estarmos a chegar ao aquartelamento, por isso nem precisava de perguntar.
Nítidos e insistentes chegavam-nos os tiros das Kalashinov dos turras, enquanto o pequenino Fontes usava o morteiro 60 abanando os nossos tímpanos com o barulho do rebentamento. O matraquear das G3 dos dois pelotões que formavam a coluna misturava-se com o som frouxo das armas de nossos inimigos, a que jocosamente batizámos de “costureirinhas”. Sobrepondo-se a toda a agitação da emboscada chegaram-me imprecisos insultos atirados pela nossa malta aos adversários. A meu lado, como se aquela guerra não fosse tua, tranquilamente puxaste o maço de tabaco do bolso da camisa e acendeste um cigarro. Estendeste-me o maço e perguntaste se eu queria fumar.
- Vai-te lixar, Fróis. Sabes bem que não fumo.
Lançaste uma baforada de fumo para o ar. E pausadamente:
- Está animado, sim senhor! Mas que receção esta, pá! – E numa fração de segundo bateu na minha lembrança aquele diálogo lido há muito tempo numa revista e que tinha definido como ficção. Como era possível! Meu Deus, que coincidência.
O tiroteio abrandou. Esporádicos ainda se ouviam alguns tiros.
Alguém gritou que o Ernesto estava tombado no meio da picada e a precisar dos cuidados do enfermeiro. De longe, dos escombros do infinito, pareceu-me, outro alguém disse que o Manteigas precisava de ser evacuado.
A emboscada parecia ter chegado ao fim, agora tínhamos de enfrentar a realidade que consistia em ver o estado dos feridos. Via rádio o soldado transmissões pediu um hélio, que chegou meia hora depois para levar os 3 feridos para o hospital de Tete. O Ernesto estava mal, tinha batido com a cabeça no chão e aparentava traumatismo craniano não dizendo coisa com coisa; o Ferreira tinha torcido um pé, e gracejava para não contarem com ele para o jogo de futebol inter pelotões; e o “Sargento” queixava-se do ombro esquerdo, pedindo insistentemente ao enfermeiro um comprimido para lhe tirar as dores. Eram as consequências, visíveis e normais, resultantes da precipitação ao saltar com a viatura em andamento. Mais fatídicas que os tiros dos turras.
Aproximaste-te de mim e com a voz tocada:
- Mais uma, pá. Desta vez Nossa Senhora cuidou de nós. – E baixinho só para eu ouvir: - Agora já sei como é. E não gostei nada! 
Eu percebi bem onde querias chegar. Depois, num trejeito de consolação, deste uma palmada amigável no meu ombro e olhando-me bem nos olhos, como uma súplica:
- Que Nossa Senhora nos proteja sempre! – e afastaste-te cabeça vergada e olhos baixos na picada.

Alfredo Maioto
P. Coura, 12/04/2015








2015/04/17

J.F.Colares / Sessão Ordinária


Conforme estava programado, realizou-se no passado domingo dia 12 de Abril, o tradicional Concerto de Pascoela pela Banda da Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme dirigida pelo Mestre Fortunato Panta Nunes.

2015/04/16

Realizou-se no passado dia 12 de Abril na Associação de Reformados do Mucifal um excelente Recital de Poesia.

De Palavras Me Faço
Com Paulo Taful e Hugo Janota


Celebração da Primavera / Estrada do Rodízio-Almoçageme


2015/04/15

4º Festival das Sopas / B.V.Colares

 Festival das Sopas
Os Bombeiros Voluntários de Colares realizaram no passado dia 11 o 4º. “Festival das Sopas” no seu quartel, tendo para o feito contado com cerca de 40 sopas.
A noite esteve bastante animada onde não faltou animação musical.
O Festival trouxe até aos Bombeiros um numero significativo de gente de toda a freguesia e não só, que se deliciaram com a grande variedade e qualidade das sopas gentilmente oferecidas pelos diversos restaurante e instituições.
Os Bombeiros Voluntários de Colares estão mais uma vez de parabéns, pelo êxito da iniciativa. 


video
Clique para ver mais fotos

2015/04/10

2º. Festival do Mexilhão / Feira de Artesanato

2º. Festival do Mexilhão onde estava inserida uma Feira de Artesanato na Praia das maçãs, à semelhança do ano anterior foi um grande êxito.
As fotos apresentadas são a prova do sucesso do evento.


video

Associação de Reformados do Mucifal



2015/04/09

B.V.Colares / 4º Festival das Sopas

É já no próximo sábado que se realiza o famoso Festival das Sopas, organizado pelos Bombeiros Voluntários de Colares. Este evento já vai na quarta edição e a avaliar pelos anteriores vai ser um retumbante êxito.


Associação de Reformados do Mucifal / Assembleia Geral Ordinária