2015/12/21

UM BELO PRESENTE DE NATAL / POR ALFREDO MAIOTO



UM BELO PRESENTE DE NATAL.
De repente, saído do meio do silvado, apareceu à minha frente. Ao ver-me assustou-se e ficou a olhar para mim debatendo-se na angústia entre o fugir ou ficar. E então, magicamente, vi aqueles dois olhitos mais belos e doces que jamais irei esquecer! Que doces e suplicantes, meu Deus! Como nunca vi!
                 Olhámo-nos por segundos, tempo esse tao breve mas envolto em tamanha eloquência que me derreti por completo. Aproximei-me na tentativa de pegar nele, mas receoso logo se esgueirou para o meio das silvas donde proviera, e já deitado na erva, bem protegido, o focinho bem cosido contra o solo, ficou a mirar-me com aqueles olhos cor de leite. Desejoso que ele se aproximasse recuei o bastante para que notasse não correr perigo algum. Esta tática resultou porque aos poucos, patinha ante patinha, o dorso encolhido, sempre prudente, foi-se aproximando. Persuadido que o tinha conquistado voltei a abeirar-me dele, e de novo recuou. Difícil conquistá-lo.
                   Ah! Percebi o jogo! Eu andava para a frente, ele andava para trás; eu recuava, ele avançava. Divertido entrei no jogo, decidido, no entanto, a ganhar a parada. Aos poucos fui reparando, contudo, que já não fugia de mim com a impetuosidade inicial. Agora esquivava-se mais devagar, quase me desafiando a agarrá-lo para a seguir se escapulir de novo. Estava a gostar da brincadeira, eu também.
                   Analisei-o. Era todo negro, mas curioso! a parte inferior das patas da frente eram brancas, como que se alguém as tivesse pintado dessa cor por diversão. Um par de luvas original e encantador. A idade? Calculei a roçar os dois meses, os máximos dois meses e meio, resultado da experiência colhida na última ninhada da minha cadela Kamie. De repente ocorreu-me: onde estava a sua família? Onde andaria a mãe? Procurei no local e entre o silvado mas não encontrei ninguém. O meu amiguinho estava abandonado e só no mundo!
                   Compadecido e determinado a levá-lo comigo mudei a estratégia do jogo: sentei-me no chão alheado por completo da sua presença, mas olhando sempre de soslaio para ver a sua reação. No princípio pareceu estranhar, como que amuado com o final tão rápido da brincadeira, mas ao ver-me imóvel e sem sequer prestar-lhe a mínima atenção, perdeu o medo e muito sorrateira e vagarosamente, quase arrastando-se, foi-se aproximando de mim. Eu mantinha-me quieto e calado, mas ao mesmo tempo ansioso pelo desenlace e tao desejoso em afagá-lo nos meus braços. Pelo canto do olho vi claramente que ele se sentou a meu lado, mas fiz de conta e continuei abstrato como se não se passasse nada. Queria ganhar a sua confiança totalmente.
                     Depois, muito devagar, instintivamente, a minha mão direita foi ao seu encontro e tocou no seu focinho. Afaguei-o. Ele deixou e manteve-se sentado sem se esquivar ao meu contacto. O primeiro round estava ganho. Depois, entre o acarinhar do focinho e tê-lo no meu colo foram breves instantes. Pudera! Era isso mesmo o que malandreco queria. Espertalhão! Ele era lindo, lindo de enfeitiçar, dono duma ternura tão grande, e tanto me enfeitiçou que logo a seguir me levantei com ele nos braços. Ele, feliz, abanava a cauda, com o focinho afundado no meu braço e continuando a olhar para mim com aquele tal ar ternurento numa mistura de súplica e gratidão.
                    Imaginei tivesse fome, mas dar-lhe o quê? Não tinha nada comigo. De repente lembrei-me e, sem perda de tempo, fui ao carro e com as mãos cortei um naco do bolo-rei que minha mãe me incumbira de comprar. Ela me perdoaria por esfrangalhar o bolo, tinha a certeza, como também tinha a certeza que bolo-rei não é petisco para um cachorrinho de dois meses. Mas não seria melhor que nada? Só queria vê-lo feliz! Esmigalhei o bolo o mais que pude e ele absorveu rapidamente todas as migalhinhas depositadas na minha mão. Com a fome que tinha nem se queixou, e no fim ficou com aquele ar de cachorrinho feliz a pedir por mais. Conhecem esse ar?
                    Meu irmão já me tinha avisado: na próxima ninhada da minha cadela pastor alemã um seria para o filho, o Salvador, com 4 anos de idade irrequietos e reguilas, que toda vez que me via perguntava: ó tio, então o meu cachorrinho? Peguei no meu amiguinho de quatro patas e levei-o ao Silvério, meu amigo veterinário, para os cuidados primários e aproveitei para comprar um saco de ração Puppy. A seguir fui à loja da D. Etelvina, a florista da minha rua, pedir uma caixa e uma fita de embrulho vermelha, fiz uns furos para ele poder respirar facilmente e coloquei-o lá dentro como um belo presente. Quando entrei em casa e viram a caixa com o laço os meus sobrinhos logo perceberam que era uma prenda e, claro, perguntaram o que tinha dentro. Pisquei o olho ao meu irmão sempre receoso que o meu amiguinho se denunciasse. Se o fizesse a surpresa iria por água abaixo! Mas não, ele portou-se impecavelmente, mantendo-se quieto e caladinho. Minha mãe chamou para a mesa. Ninguém se mexeu, nem mesmo os graúdos. Curiosos, todos queriam ver o que estava dentro da caixa mágica. O Salvador, bruxinho, perguntou se a prenda era para ele. Meu irmão, percebendo a cena, acenou-me que sim com a cabeça, e eu então respondi ao meu sobrinho que sim. Eu próprio, deliciado com o êxtase escrito nos olhos das crianças e dos adultos, comecei a puxar a fita. Então misteriosamente da caixa, numa imitação barata do David Copperfield, saiu de orelhas caídas e assustadito, o meu amiguinho dos olhos mais doces do mundo.
                   Que Natal aquele! Foi uma algazarra dos diabos! O Salvador de imediato batizou o seu amiguito de “Negro”. Entendia-se porquê, tudo simples e espontâneo como só as crianças sabem! A casa, essa, virou do avesso com tamanha agitação. Claro que nessa noite a miudagem mal comeu e deitou-se tarde, disputando entre si o seu quinhão de brincar com o cachorrinho. Mas até os crescidos, não pensem que foi só a pequenada que queria pegar nele, não! Porque se enganam. Todos se derreteram com o cãozinho! E como resistir? Eu sorria, feliz e emocionado!
                  Aquele foi um Natal verdadeiramente inesquecível. E na hora de pôr na mesa o bolo-rei minha mãe olhou para mim e sorriu. Faltava lá um bom naco…
P. Coura, 17/12/2015

Alfredo Maioto

                    

2015/12/18

Histórias da Guerra Colonial - O Alferes por Alfredo Maioto

´
DEDICADO AO JOSÉ MARQUES, FORÇA ATIVA NA SOLIDIFICAÇÃO DA FAMÍLIA 3352.

O ALFERES

Esperou pacientemente que formassem um círculo e depois ficou a olhar para cada um como se fosse a última vez. Sem saber com exatidão donde provinha essa ideia, mau presságio apenas, algo dentro dele o advertia do perigo de que algum dos trinta elementos do seu pelotão não regressasse vivo ao quartel. Porque a missão que tinham em mãos era perigosa, tinha consciência disso, e precisava colocar os seus subordinados a par das dificuldades que iriam enfrentar. Era seu dever.
            Lentamente passou a vista por cada soldado querendo com esse gesto, porventura, fixar o nome e o rosto bem no fundo da sua memória. Eram os soldados do seu pelotão que com ele tinham palmilhado aventuras várias e pisado juntos muito mato. Desta vez ele próprio, e não os furriéis, como era habitual, se incumbiu de passar revista para ter a certeza de que os subordinados estavam apetrechados da ração de combate para 3 dias, das cartucheiras, e ainda dos 2 cantis de água. Tudo em ordem.
                         Terminada a inspeção explicou então os objetivo que tinham em mãos. Os soldados ouviram atentamente e baixaram os olhos, apreensivos. A uma ordem sua todos, em simultâneo e sem proferir palavra, introduziram a bala na câmara. E o barulho frio da culatra a ser puxada atrás perturbou a manhã…
           Todos sabiam que os turras andavam pelos aldeamentos em ação psicológica. A confirmar esse boato o régulo da aldeia Takinde tinha vindo ao quartel relatar que eles dormiam lá todas as noites em busca de provisões. A missão do 1º pelotão consistia, assim, em ir a Takinde e abater os inimigos.
            Era véspera de Natal. Naquela manhã do dia 23 Dezembro, ainda com o sol estremunhado, já o 1º Pelotão saia do quartel em duas filas, metade dos homens no lado direito da picada e a outra metade no lado esquerdo, distanciados alguns metros uns dos outros. Caminhavam em silêncio, cabisbaixos, interrompido, aqui e ali, por algum pássaro madrugador. Era o silêncio macabro do perigo pairando no ar…
               O sol começava a espreitar, ameaçador. Depressa entraram na picada da Mosca do Sono, assim chamada porque em tempos existiu ali um posto de vacinação dos aldeões contra essa praga. As casas ainda se mantinham de pé, mas completamente abandonadas e envoltas em ervas. Como a picada era estreita todo o pelotão seguia em fila indiana.
         Takinde ficava, segundo o mapa, a cerca de 40 kilometros. Horas de caminho e muito suor também. O plano consistia em chegar ao destino ao final da tarde. Depois, ao amanhecer, seria o ataque-surpresa.       
                O calor era sufocante. Chegaram a Takinde por volta das cinco horas da tarde, camuflando-se de imediato entre os grandes arbustos e a imensa penedia existente na zona e posicionando-se num local proeminente a fim de poder controlar as entradas e saídas da povoação. Lá mais em baixo, a cerca de cem metros, Takinde permanecia silenciosa quase adormecida. Por gestos o comandante de pelotão transmitiu que iriam passar ali a noite à espera, e pediu que se espalhassem o mais possível pelo terreno. Takinde era uma pequena povoação composta por cerca de trinta palhotas apenas e quase todas elas encostadas umas às outras. Uma, por ser maior, diferenciava-se das demais, certamente a do régulo. O controle não seria difícil, mas a espera, essa, iria ser longa e penosa.
            Com seu canto os pássaros começavam a sacudir a noite numa sinfonia estridente. Depois, por fim, a escuridão chegou. Espantosamente, porém, na aldeia nem uma só fogueira se acendeu. O alferes achou estranho e começou a ficar preocupado. Teriam os turras sabido da vinda, ou até os próprios aldeões, e ter-se-iam refugiado no mato para evitar confrontos com a tropa?
            Ternamente refulgiam as estrelas e soprava um vento manso. Para o alferes, contudo, a noite estava escuríssima e triste. Como sua alma. Porque lá longe, no “Puto” distante, tinha a noiva à espera numa aldeia sossegada lá para a zona de Fundão. Ao lembrar-se dela involuntariamente estremeceu. Que estaria ela a fazer naquele exato momento em que o seu pelotão, escondido entre os arbustos, num pedaço qualquer da selva, vigiava uma aldeia onde os turras iam abastecer-se? Na escuridão o rosto dela brilhava mais intensamente que as próprias estrelas. O alferes olhou o firmamento esperançado em vê-la a luzir entre tantas estrelas cintilantes… Todos os dias ele escrevia-lhe um aerograma, mas naquela véspera de Natal não iria fazê-lo. E este pensamento caiu mais fundo… Para ele a guerra era um monstro impiedoso e disforme. Ao olhar para si mesmo apercebia-se bem da desumanidade aprendida nos dezoito meses de luta. Tinha mudado muito. Embrutecera, era o termo. Como todos, consequências da dureza do dia-a-dia.
           Logo ao lusco-fusco do amanhecer todo o pelotão se pôs em movimento. Lá em baixo, na aldeia, uma quietude de suspeitar. O alferes distribuiu seus homens em três secções: duas a cargo dos furriéis e a outra comandada por ele mesmo. Em minutos toda a povoação ficou cercada. Contudo, estava deserta! Nem um simples cão por lá andava. Embora desconfiado o alferes respirou de alívio. Assim não teria necessidade de lutar. Sorriu. E, num gesto instintivo, num daqueles momentos malucos mas inexplicáveis da guerra, o alferes mandou formar o pelotão no centro da aldeia. Os soldados estranharam, mas obedeceram rindo divertidos. Depois, mais estranho ainda, obedeceram à voz de comando e ficaram em sentido. Então a seguir o alferes Martins, os olhos brilhantes e a emoção sacudindo a alma, no corpo dançando uma alegria estranha, disse:
       - Tenho muito orgulho em vocês, 1º pelotão. - A voz tremeu, mas depressa se recompôs. E sem perder o fôlego, quase num grito a servir de desafio aos turras, erguendo os braços aos céus e o som da sua voz atroando mato fora: - Feliz Natal, malta!  

Alfredo Maioto 
P. Coura, 15/12/2015

2015/12/13

Memórias da Nossa Terra


Em 13 de Dezembro de 1959 o nº 1.345 do Jornal de Sintra publicava o seguinte da nossa terra


COLARES
 
DR. JOÃO BRANCO GUERREIRO
Julgamos interpretar o sentir de Colares em peso, ao virmos aqui congratular-nos com a eleição do Sr. Dr. João Branco Guerreiro para o cargo de vereador da Camara Municipal de Sintra.
Realmente, a acertada escoalha deixou a melhor impressão em toda a gente, pois o Sr. Dr. Guerreiro, que conhece profundamente a nossa região, que percorre diariamente no seu abnegado magistério, é um coração nobre e erudito investigador histórico, havendo tudo de bom a esperar da sua atuação.
Os nossos sinceros parabéns ao Sr. Dr. João Branco Guerreiro pela sua nomeação, à Camara de Sintra, que tão bem escolhe os seus colaboradores, e a Colares, em particular, por sair daqui alguém que já consideramos da nossa terra, para desempenhar tão honrosa missão.  
SPORT UNIÃO COLARENSE
Esta agremiação realizou no passado sábado, 5, um animado baile, cujo produto se destina à campanha de obras e foi abrilhantado pela Orquestra de Fernando Moreira. Foi anunciada a habitual festa do fim do ano entre os sócios do clube.
BANDA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS
Também na Sociedade da Banda se têm realizado alguns bailes e anuncia-se para sábado, 19, uma animada noite de festa com uma bela orquestra e os acordeonistas Gracinha e Guilherme Raposo.
AS RUAS DE COLARES
As ruas de Colares estão agora bem arranjadas, faltando porém metade da Calçadinha. Oxalá não demore esta reparação, pois está intransitável.
Repórter Colarense

2015/11/18

Plano de Pormenor da Praia Grande

Plano de Pormenor da Praia Grande
Sessão de Esclarecimento na Junta de Freguesia de Colares
Dia 20 de Novembro às 21h00

 

2015/11/15

Memórias da Nossa Terra


Em 15 de Novembro 1959 o nº 1.341 o Jornal de Sintra publicava o seguinte sobre a nossa Freguesia

O ANO VINÍCOLA
Na região de Colares
Vão longe os tempos em que a vida e celebridade de Colares e arredores assentavam quase exclusivamente na excelência dos seus vinhos. Estes, se não perderam a justa fama, diminuíram em quantidade, e nas areias, onde imperava a cepa do «ramisco», surgem hoje vivendas modernas, símbolo dum progresso que não pode esquecer o passado.

Felizmente que a Adega Regional de Colares não descuida a sua missão, contribuindo para que se não perca totalmente o característico e aromático vinho «ramisco», mundialmente apreciado. Assim é que, apesar do pequeno ano vinícola, a Adega registou maior quantidade de entradas de uva que em 1958, pois laboraram-se 900 pipas, cabendo à freguesia de S. João das Lampas 22%. Para este resultado contribui certamente, o bom preço que a Adega pagou pela colheita de 1958 e também o abono fixado para esta colheita, que na opinião dos vinicultores é compensador.

Ao visitarmos a Adega Regional, durante o período da última vindima, notámos que as suas instalações são, não só precárias para a laboração de tal quantidade, como antiquadas. Bom seria que a Junta Nacional do Vinho, que tanto tem contribuído para o progresso da viticultura em todo o país, levasse por diante, o mais brevemente possível, o projeto, que nos consta estar em estudo, para construção de novas instalações, dotadas dos mais modernos requisitos.  
Reporter Colarense

2015/11/13

Dia de São Martinho / Rede Social de Colares


Promovido pelo grupo Intergeracional da Rede Social de Colares, realizou-se na quarta-feira no Salão do Exercito de Salvação (Colares), os populares festejos em honra de São Martinho. Novos e menos novos festejaram com grande alegria e boa disposição a festa que lhe foi oferecida. Danças, cantares, representação e castanhas assadas foi o mote para uma tarde bem passada.
Uma saudação especial para os Majores Cleto e Fernanda do Exercito de Salvação, que no som estiveram imparáveis.
 

2015/11/10

Núcleo Sportinguista de Almoçageme / 23º Aniversário

É já no próximo domingo dia 15, que se irá realizar a Grande Festa da Família Sportinguista na Freguesia de Colares
Se és Sportinguista não podes perder esta Grande Festa
 

2015/11/04

Teatro em Almoçageme

A não perder para quem não viu, não só
Última Temporada
HOTEL ROYAL
De Pernas ao Léu
 
 

2015/11/02

Banda dos Bombeiros V. de Colares / 124º Aniversásrio



Com um excelente concerto, a Banda dos Bombeiros Voluntários de Colares iniciou ontem dia 1de Novembro as comemorações do seu 124º Aniversário.
Ao longo do mês são várias as iniciativas que estão programadas.


2015/11/01

Memórias da Nossa Terra

Jornal de Sintra
Em 1 de Novembro de 1959 o Jornal de Sintra no seu nº1.339 publicava o seguinte sobre a nossa freguesia

COLARES
BANDA DE COLARES – Completa hoje,1 de Novembro, mais um aniversário, a Banda dos B. V. de Colares, que por esse motivo estará em festa. Sabemos que, em virtude dos seus elementos se estarem preparando para o concurso da F.N.A.T., as comemorações não terão o cunho habitual, mas o que importa é que aqueles que se consideram de facto amigos da prestimosa associação cultural e recreio ali compareçam hoje, dando, com a sua presença um estímulo e um apoio de que a velhinha banda tanto precisa e merece. As palavras do seu maestro Miguel Gomes Anica, ao Sr. António Medina Júnior, diretor deste jornal, são a expressão da verdade. Agora, que a nossa banda, com 36 figuras, está tentando impor o seu nome, embora modestamente, concorrendo a um concurso; que realizou este verão apreciados concertos em Sintra, Paço de Arcos, etc.; agora, que se apresenta, há um ano, com os seus novos fardamentos, o povo de Colares, tão cioso sempre das suas instituições tradicionais, parece desinteressado, e apático destas belas realidades, sem cuidar que para mante-las é necessário o amparo e o sacrifício de todos nós. Que os Colarenses meditem e compreendam o seu dever de acarinhar a sua sociedade e compareçam hoje, com vontade e auxiliar aqueles que desejam insuflar nova vida à velha Banda de Colares. Do programa comemorativo consta: às 8 horas, alvorada com foguetes e morteiros; às 10, romagem ao cemitério, junto dos músicos falecidos; às 15, saída da banda, em cumprimentos às entidades oficiais, coletividades, sócios e suas famílias e, de um modo geral, a todos o povo Colarense; ao 21,30 pequeno concerto pela banda, dedicado à família associativa; e às 22 grandioso baile, abrilhantado por um apreciado conjunto musical.
 
 A Banda, com fardamentos novos, regidos por Miguel Anica 

2015/09/29

Festas em Honra de N.S. da Graça / Almoçageme

É já no próximo fim de semana que se iniciam os populares Festejos em Honra de Nossa Senhora da Graça em Almoçageme


2015/09/28

1º Torneio Almoçageme Futsal


1º. Torneio Almoçageme Futsal

Ontem no Pavilhão B.V. Almoçageme, realizou-se a Final do 1º. Torneio Almoçageme Futsal.
A 1ª parte foi preenchida com o jogo para apuramento do 3º e 4º lugar onde o Janas F.C. levou de vencida o Núcleo Sportinguista de Almoçageme A.
Na 2ª parte teve lugar a grande final do Torneio, com as equipas Ana Cabeleireiros Nafarros e Núcleo Sportinguista de Almoçageme B.
Jogo muito equilibrado com as equipas bastante empenhadas na conquista do 1º lugar. O Nucleo num momento de infortúnio do adversário passou para a frente com um autogolo do Nafarros que mesmo assim não baixou os braços e demonstrou que estava ali para discutir o resultado.

Na 2ª parte quando o jogo estava tanto para um lado como para o outro, o Núcleo volta a marcar. O Nafarros não acusou o golo e numa jogada com um bom passe longo para o João Afonso de costas para a baliza, faz de cabeça um golo de belo efeito (para mim o melhor golo do jogo). Com golo do Nafarros o jogo ganhou outra vivacidade e até ao fim, foi uma luta digna de registo das duas equipas pelo resultado, que não sofrei alteração. 2 para o NSA, 1 para o Nafarros.

Classificações


1º Classificado N. Sportinguista de Almoçageme 


2º Classificado Ana Cabeleireiros Nafarros


3º Classificado Janas F.C.


4º Classificado N. Sportinguista de Almoçageme


Melhor Marcador Luís Ribeiro


Melhor Guarda Redes Henrique Brasão


Melhor Jogador Ruben Freire

Cortejo de Oferendas - B.V.Colares

Com o objectivo de aquisição de uma Ambulância, realizou-se ontem Domingo dia 27 de Setembro, um Cortejo de Oferendas levado a cabo pelos Bombeiros Voluntários de Colares.



video
Clique para ver video

2015/09/14

Iniciativas dos B. Voluntários de Colares


B.V.Almoçageme 120 ao Serviço da População


Comemorações do Centésimo Vigésimo Aniversário dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme
Programa

09:30 – Hastear das bandeiras
08:45 – Romagem ao Cemitério
10:15 – Recepção às entidades convidadas
            Formatura em parada do Corpo de Bombeiros
            Baptismo e bênção de novos v veículos
11:00 – Sessão Solene
           Promoções na carreira de bombeiro
           Condecorações a elementos do Corpo de Bombeiros (LBP,CMS,AHBVA)
           Entrega de Diplomas de Sócio Benemérito
           Entrega de Diploma e emblema de 50 anos de associado da AHBVA
           Intervenção das Entidades Oficiais convidadas
13:00 – Colares d´Honra na Adega Viúva Gomes

         

2015/09/08

1º Torneio Almoçageme Futsal

Numa Organização do Núcleo Sportinguista de Almoçageme, iniciou-se no passado fim-de-semana no Pavilhão dos Bombeiros Voluntários de Almoçageme, o 
“1º. Torneio de Almoçageme Futsal”

Equipas Participantes.


N.S.Almoçageme A


Janas F.C.


Team MB


Almariados POKER Team


N.S. Almoçageme B


Ana Cabeleireiros Nafarros


Kalapitos


URD Fontanelas & Gouveia