2007/12/10

Violência na Sarrazola

Na passada 6ª.feira, houve na Escola 2+3 da Sarrazola uma grave agressão, que chocou toda a comunidade escolar.

Segundo parece dois miúdos (um deles já com 14 anos) fizerem uma macabra aposta de 5 euros, para ver qual deles batia mais num terceiro. A violência das agressões foi tal, que o miúdo foi espancado e atirado pela "janela" da paragem de autocarro, onde ficou inanimado e foi levado para o Hospital com várias lesões e um braço partido.

Perante este acontecimento absurdo este blog não poderia ficar calado. Se os acontecimentos não foram exactamente desta forma, pedimos desculpa, foi como eles chegaram até nós. Mas o importante aqui não será relatar a forma exacta como tudo aconteceu, mas sim denunciar uma situação gravíssima, que coloca em causa tudo aquilo em que acreditamos.

Onde está a inocência destas "crianças"? Um miúdo com 14 anos não tem já a noção exacta das consequências dos seus actos? Como podem os pais deixar os seus filhos na Escola, expostos a estes miúdos que, por razões familiares e de completo abandono, se encontram completamente desviados da realidade e do bom senso?

Não haverá muito mais a dizer, apenas aqui podemos deixar uma palavra de conforto e de coragem aos pais desta criança espancada, e fazer votos para que os agressores tenham uma punição exemplar, para que uma situação como esta não volte a acontecer.

8 comentários:

Anónimo disse...

Qual o comentário dos pais destas "crianças" ao acto?


AL

Anónimo disse...

Se não forem tomadas medidas a sérias agora, teremos no futuro algo possivelmente mais grave. Não podemos tapar o sol com a peneira com a desculpa de "coitadinhos", são uns abandonados, desprotegidos, marginalizados pela sociedade, marginais serão sim, se fecharmos os olhos como sempre. Como pai, se fosse com o meu filho sinceramente não sei como seria. Sabemos que problemas destes há por todo o lado, mas por cá ainda podemos de ir a tempo de os evitar, basta cortar o mal pela raiz. Os culpados e a vítima todo o mundo sabe quem são, por isso vamos lá a fazer qualquer coisa para que não termos que chorar mais tarde.
Carlos Alberto Silva

Anónimo disse...

É de lamentar o sucedido isso é certo... mas quem conta 1 conto acrescenta 1 ponto... como já ouvi no mini-mercado a falarem que o miudo ficou internado e em coma... a relidade é que não passou de uns hematomas e não se chegou a saber se perdeu os sentidos sequer, sangue derramado foi o resultado "mais critico" á vista derivado dum soco na boca... idades... 10 e 11 anos.

Anónimo disse...

Eu sei que os pais por muitas vezes, não têm culpa mas se dissesemos os nomes dos miudos e dos pais talvez melhor alguma coisa?

Anónimo disse...

É verdade que quem conta um conto acrescenta um ponto, mas eu ouvi da boca dum miudo ali presente e que assistiu a tudo que foi muito mais grave do que alguem quer fazer parecer, mas tambem não posso afirmar pois não estive presente nem tive oportunidade de falar com mais ninguem.
O que sei é que é uma situação muito grave, apostarmos com alguem que conseguimos bater mais noutra pessoa, aidna que depois "SÓ" lhe causemos uns hematomas e uma boca rebentada.
Se fosse meu filho garantidamente que lhes retribuia na mesma moeda, a eles e ao pai deles.
Dos miudos só conheço 1, o bicanca, vivem da assistencia social, ou seja da contribuição de todos nós porque o pai nunca quis trabalhar e nem precisa vão lhe dar tudo a casa e embora perfeitamente integrados na sociedade, nada fazia esperar uma atitude destas, embora ninguem estranhe.
É necessário e urgente que se tomem medidas contra este tipo de atitudes e que sejam chamados á atenção e punidos se assim o entenderem as pessoas competentes, actos destes não podem de maneira alguma serem tolerados, pelo menos a mim, como Pai de duas crianças, este tipo de comportamentos preocupam-me muito.
Há que pôr fim a isto e é já.
Se os meus filhos estudassem nessa escola, eu exigiria uma reunião de pais, com os intervenientes presentes e um inquérito para que se apurasse a verdade, não se pode tolerar focos de violencia gratuita como este, dois miudos que decidem agredir um outro pelo simples prazer de fazerem mal, têm de ser acompanhados e devem preocupar desde já a sociedade, não se deve deixar passar impune tal acto repugnante e condenável nos dias de hoje e que vem prejudicar o nome duma escola com tantos anos.
Resta-nos a esperança de que pare por aqui e que não aconteça aos nossos filhos.
Cabo da Roca

Anónimo disse...

Pelo que consta o menino agressor foi encaminhado aos pais pela GNR e a mamã foi queixar-se á escola...
Pobre menino... bateu noutro mas não tinha nada que ser incomodado...

Zé da Burra o Alentejano disse...

A violência existe nas escolas porque falta a autoridade e o castigo que seria devido por mau comportamento e delinquência.
Não se pode tocar nos meninos “nem com um dedo” e na falta de outros castigos eficazes, principalmente nas idades mais jovens, quando se começa a moldar o seu comportamento dentro da sala de aula e fora dela, resta a impunidade, que serve de incentivo para que cresçam os comportamentos anormais e a violência nas escolas e fora delas.
Que castigos aplicar então?
-Reclamar uma multa? Quem paga?
-Obrigá-los a ficarem de castigo numa sala de estudo? Quando se aperceberem que nada lhes acontece se recusarem é isso mesmo que vão fazer.
-Expulsar da aula ou da escola ? de nada serve, apenas dá mais liberdade para irem dar azo à sua liberdade doentia noutro lugar.

Os castigos físicos são condenáveis, mas por vezes ainda são os únicos que têm algum efeito e as autoridades policiais sabem-no bem. Senão para que servem aqueles bastões compridos que os polícias usam nalgumas situações? e as outras armas que trazem?

As crianças não são assim tão diferentes dos adultos e até há um abuso de linguagem ao se apelidar de "crianças" todos os jovens dos zero aos dezasseis anos (logo dezoito), como que se a inteligência e a capacidade de distinguir o bem do mal chegasse na noite em que completam aquela idade. O Desenvolvimento humano nem é todo igual: há jovens com dez anos mais desenvolvidos, experientes e astutos do que outros com catorze, quinze e mais... Há até pessoas já adultas que nunca atingiram um nível de desenvolvimento aceitável (são obviamente deficientes mentais).

A maioria das crianças e jovens não são delinquentes e pode ser corrigida de qualquer desvio através de uma simples conversa, mas basta um "rebelde" para boicotar uma aula e para arrastar consigo outros mais pacatos que não levantariam qualquer problema.
Os colegas mais humildes são as primeiras vítimas e a escola não tem hoje maneira de as proteger, a não ser que as mantenha isoladas dos poucos violentos, à semelhança dos "condomínios fechados" onde quem pode adquire habitação para ter assim maior protecção, só que tem que entrar e sair do local...

Algo deve mudar no ensino e na forma de castigar os desvios dos jovens, senão estamos, sem o saber, a criar pequenos “monstros” que nunca se habituarão a cumprir regras sociais, que serão uns inúteis e que viverão sempre à custa do trabalho alheio, porque assim é mais fácil.

Um dia, as ideias actuais que agora dominam de não aplicar quaisquer castigos físicos em quaisquer circunstâncias terão que mudar. O que é hoje um conceito aceite e indiscutível pelos próprios pedagogos será um dia posto em causa. Sempre assim foi antes e assim continuará a ser!

Os castigos físicos são, porém, condenados pelas nações ocidentais e pela EU a que Portugal pertence, por isso, teremos que esperar que sejam as principais nações (EUA, UK, França..) a aperceberem-se da inevitabilidade de retorno a alguns castigos físicos nas escolas e a darem esse passo.

Anónimo disse...

Que se faça justiça e se não há justiça nos tribunais, que se faça a Popular.
Eles e familia deveriam levar uns bons pares de estalos para aprenderem, pelo menos enquanto lhes doesse as nádegas, eles não fariam outra.
Já era assim no passado, comportamentos inadequados á sala de aula, eram punidos com umas boas réguádas e voltavamos para o lugar para arrefecer as mãos no pé da mesa e de rabinho entre as pernas, pois alem da vergonha que era, as mãos latejavam durante horas.
Hoje nada disto é permitido, os alunos agridem os professores todos os dias, não há o minimo respeito nem forma de se fazer respeitar e o resultado está á vista.
O que se passou neste caso revela o que vai dentro da sala de aula e é transportado para fora da escola, uma violencia desmedida e a garantia que seguiremos impunes nos nossos objectivos da criação da desordem e do caos.
Não sei qual a reacção dos Pais da criança agredida, mas aconselho a que sigam até ás ultimas consequencias mesmo que não dê em nada, pelo menos são criados registos e servirá para aumentar as estatisticas dum governo que teima em ser cego.
Seguramente haverá despesas a pagar com tratamentos ou internamentos, se foi o caso, mas acima de tudo se deve pensar no trauma para esta criança que foi agredida e humilhada em frente aos colegas e pensar como se estará a sentir depois disto tudo e como é levantar-se e ir para a escola todos os dias e cruzar-se com estes bandalhos que o fizeram passar um mau bocado.
Há que ver que, como alguem relatou, uns hematomas e uma boca rebentada, passam depressa, o pior são os traumas que deixam e que não se deixam ver.
Ex-Sarrazola