2008/11/11

Igreja da Misericórdia

Recebemos este texto de um visitante assíduo:

“Não sei se tomou conhecimento de que a Igreja da Misericórdia e o espaço anexo (onde há 30 anos era a sede da Junta de Freguesia) passaram a incorporar o património da Paróquia de Colares. Se não sabia, aqui fica a informação. Importa dizer que a Igreja, propriamente dita, está muito precisada de obras de restauro, de molde a ficar à disponível para utilização pela comunidade de Colares, inclusive como um ponto de visita obrigatória para todos os que queiram conhecer aquilo que de bom ainda existe. Trata-se de um templo construído em finais do Sec. XVI, sob o domínio filipino, conservando quase integralmente a pureza de estilo com que foi concebido e nele merece destaque o retábulo no altar, que foi encomendado e executado por Cristóvão Vaz ainda antes da construção da Igreja. Este retábulo foi recentemente objecto de conservação e limpeza, efectuadas por um grupo de alunos da Escola Profissional de Recuperação do Património (da C. M. Sintra), sob a orientação do técnico de restauro, nosso conterrâneo, Sr. António Serôdio Lopes. Mas há muito que fazer (pavimentos, paredes, cadeiral, instalação eléctrica, etc.) para repor a dignidade e beleza de um edifício desta natureza e antiguidade, com os inerentes e muito elevados custos, pelo que estamos a deitar mão a algumas iniciativas que visam angariar fundos. No próximo sábado, 15/11, teremos um magusto que se prolongará pela tarde e noite, com prova de água-pé, castanhas, pêra parda, etc.”

4 comentários:

Pedro disse...

Já não será possível (ou pelo menos imediato) replantar o lindíssimo e enorme jacarandá que lá estava à porta.

Anónimo disse...

O jacarandá foi considerado morto pela Divisão de Espaços Verdes da C.M.Sintra. E como se costuma dizer, quem tem os livros é que sabe !

Jorge disse...

Penso que devem confirmar a fonte, pois creio que a Igreja era pertença da Santa Casa da Miseriocórdia de intra e não da Câmara de Sintra

Anónimo disse...

Gostava de ver a "certidão de óbito" do jacarandá assinada pelo "médico" dos espaços verdes da C. M. Sintra...e de saber quem solicitou a intervenção da autarquia (via Junta de Freguesia de Colares), já lá vai uma meia dúzia de anos.
A meu ver, tratou-se de um autêntico crime .
Não perdi a esperança de repor no local um jacarandá jovem ... e talvez daqui a 100 anos os vindouros possam contemplar a beleza da sua floração.
JAIME CORVO / Colares