2006/08/17

Trânsito de por os Cabelos em Pé

É esta situação caótica, que se vive práticamente todos os fins de semana junto ao Largo Doutor Carlos França em Colares. Situação que se arrasta há largos anos sem solução à vista. A População, segundo se consta, anda saturada com tanta confusão.
Cara D’Anjo

Todos querem passar ao mesmo tempo que acaba por não passar ninguém

12 comentários:

Anónimo disse...

Mas que grande confusão!...
Adivinhem quem são os condutores???
Colarense não são de certeza. Pobre Terra no que tu te transformaste, covil de novos ricos e minho de presunçosos e sabe-se lá mais de quê.
Zé Cusca

Taborda disse...

Isso resolve-se bem!
È colocar uns semaforos já que os policias sinaleiros acabaram.
Ou se houver verba, podem optar por umas passagens aereas...

jussara disse...

Oi Vitalino

Vim conhecer o seu site e lhe dar pos parabens.. ele é maravilhoso..
Adorei le-lo.
Não se se vc se recorda de mim..ou a Jussara . Vendo meu blog talvez vc se recorde.Tenha uma linda noite.. beijos..ju

Isabel Roma disse...

Não é só em Colares, há vários locais espalhados pela freguesia, em que o trânsito se torna caótico nos fins de semana e no Verão. No Mucifal, por exemplo, há horas do dia em que nem a pé se pode circular à vontade.
Acho que chegou a altura de pensarem a sério numa solução para as localidades desta freguesia.

Vitalino disse...

Jussara, teria muito gosto em visitar o seu blog, mas como tenho acesso a ele?.
Vitalino.

Célia disse...

No Mucifal não e preciso ser verão
é sempre. Para quando ruas de um só sentido umas para entrar e outras para sair do Mucifal. A solução passa por aqui assim como no largo referido em Colares.

Célia disse...

O transito no Mucifal como alguem escreveu esta tb caótico para quando ruas de um só sentido.
Este exemplo tb se poderia aplicar no Largo de Colares.

Anónimo disse...

O problema do transito em alguns lugares da freguesia de Colares não se deve só aos condutores de fim de semana mas tambem aos peões que circulam no meio da faixa de rodagem em vez de nas bermas ou nos passeios. talvez se as autoridades aplicassem a legislação em vigor não ficassem muito bem vistas...
Ferreira

NS disse...

Há coisas para as quais nos temos que nos mentalizar e ser honestos para nós próprios. Afinal o que é que pretendemos da nossa terra? Que atraia turistas ou que seja uma pasmaceira para os que cá estão descansarem?
É obvio que o turismo implica aumento de trânsito e confusão, mas para mim não deixa de ser um bom sinal. Tomara nós que a igreja de Colares continue "na moda" e que mais pessoas continuem a vir casar e baptizar os seus filhos a Colares, dando uma força à prosperiedade dos comerciantes e daqueles que organizam os Copos d'agua. Riqueza precisa-se.

Anónimo disse...

Caro "NS"
Concordo que pretendemos divulgação e visitantes mas não precisamos que isso signifique o caos, certo?
Que raio de prosperidade e riqueza espera se o nosso cartão de visita for a confusão? Quer Colares conhecido pela positiva ou pela negativa ? (recordar o dia do casamento ou baptizado pela confusão e ânimos exaltados não me parece o melhor...)
Este problema sería facilmente resolvido com sentidos únicos (subida pela Presinha, descida pela Abreja, por exemplo). Meia dúzia de sinais resolviam o problema e dariam um muito melhor crédito a Colares.
Fico à espera que as entidades competentes tomem a iniciativa.
M João

joaquim matos disse...

Ò para eles a tentar se safar, se lá estive-se um GNR a culpa era dele, mas como não está paciência isto parece facil mas não é meus amigos é facil culpar mas na hora de colaborar somos todos iguais. Um abraço.

Anónimo disse...

Em Colares estacionam de qualquer forma sem se preocuparem se passam carros e multas é mentira.Existe um parque de estacionamente grande atrás da igreja de Colares e mesmo com casamentos nunca é aberto.Puseram calçada naquilo para quê???Para estar fechado?
Em relação à confusão na altura de sairem os carros é inevitável pois como se sabe as estradas são estreitas e com tantos carros ali tem de haver confusão mas aí não há solução a não se se alargassem a estrada mas isso é impossivel!